Publicado por: horusviana | 10/12/2016

Reflexões sobre “Raridade” de Anderson Freire

Anderson Freire tem o mérito próprio de quem nasceu em Cachoeiro do Itapemirim, lugar onde só pus os pés de passagem, mas é a terra sagrada de nascimento de minha avó D. Maria Azulina Viana Pinto, e do um pouco mais famoso, Roberto Carlos. Claro, pesquisei isto na Wikipedia e me surpreendi já pontuando o rapaz barítono (mais um ponto), e verificando que Raridade não é o primeiro de sua longa lista de sucessos interpretados pelo panteão gospel.
Esta reflexão acabei tendo assistindo a uma missa e após a homilia meu padre carismático fez seu momento “ponha a mão no seu coração, feche seus olhos”, e o ministério de música cantou o famoso refrão, não me lembro em que contexto, mas que a musica se encaixava propriamente. Ou seja, seu sentido antropocêntrico, otimista e presunçoso da Graça – mas que às vezes cai bem.

“Você é um espelho, que reflete a imagem do Senhor”

Refletir uma imagem é sem dúvida o objetivo de qualquer espelho, mas isto é o espelho IDEAL. Um espelho embaçado, empoeirado, muitas vezes não nos vem à mente, e minha preocupação, que se pergunta em primeiro lugar “que tipo de espelho eu sou?” , acabei enxergando que as pessoas tem se preocupado em se proclamar espelhos sem se preocupar, no seu íntimo, se tem condições de sê-lo. Ao cantar a música, muitos de nós nos imaginamos o espelho limpo, grande, próximo o suficiente e na posição certa de refletir o que se deseja. Entretanto, em vez de dar como certa a imagem que a música quer despertar em nós de auto-compaixão, vamos nos analisar como espelhos:

  • Estamos ou buscamos estar limpos o suficiente para a imagem do Senhor ser nitidamente refletida?
  • Estamos próximos o suficiente de Deus, para que o reflexo  não seja apenas um pequeno ponto na imagem refletida?
  • Estamos na posição certa, para que a imagem seja projetada onde efetivamente se precisa? Estamos próximo dos próximos, dos necessitados, ou nossa atenção se volta exclusivamente para interesses particulares? Estamos escondidos? Estamos desviando a imagem de Deus, aderindo parcialmente à verdade da Fé conforme nossas próprias comodidades?

“Não chore se o mundo ainda não notou”

Um espelho decorativo geralmente chama atenção não pelo vidro, mas pela moldura. Mas a moldura não faz parte da imagem. Antes, limita-a. Um espelho perfeito é um espelho que não se nota. Na perfeição do Evangelho, a frase deve ser invertida: chore, se te notam ainda.

“Já é o bastante Deus reconhecer o seu valor”

Sim, é verdade. E já seria o bastante para nós reconhecer que o nosso valor é Deus. O resto, tudo é vaidade.

“Você é precioso”

Resultado de imagem para meu precioso gollum
Agora entendi também onde foi parar o ouro de Ofir.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: